AGORA SÃO 837 MOTIVOS PARA CONTINUAR! ME DÊ MAIS UM MOTIVO!

201 MOTIVOS PARA CONTINUAR ACREDITANDO:

PAGANDO PARA SERMOS FERRADOS... COMEÇA TUDO DE NOVO!

PAGANDO PARA SERMOS FERRADOS, COMEÇA TUDO DE NOVO

domingo, 15 de janeiro de 2012

BOA PERGUNTA, QUE AINDA ESTÁ SEM RESPOSTA!



Por que só a corregedora do CNJ viu os R$ 283 milhões atípicos no Tribunal do primo de Marco Aurélio?
    
O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), órgão de inteligência financeira do Ministério da Fazenda, identificou 3.426 magistrados e servidores do Judiciário que fizeram movimentações fora do normal no valor de R$ 855 milhões entre 2000 e 2010.

O auge foi em 2002, quando uma única pessoa movimentou R$ 282,9 milhões. O milionário está ligado ao Tribunal Regional do Trabalho, no Rio de Janeiro, segundo o Coaf.

Esse tribunal foi alvo de graves denúncias, desde licitações fraudadas, passando por venda de sentenças e venda de nomeações, uso eleitoral, abuso de autoridade, quando o Juiz José Maria de Mello Porto o presidiu, entre 1993 e 1994. A CPI dos tribunais no Senado, em 1999, investigou os fatos e ele depôs, negando as acusações, surgidas de gravações onde ele era citado (confira um vídeo). Nesta época da CPI ele ocupava o cargo de corregedor do Tribunal.

Porto era primo do ministro do STF Marco Aurélio de Mello e do ex-presidente Fernando Collor de Mello. Morreu durante um assalto em 2006, como desembargador, sem qualquer condenação (que se saiba). Processou diversos jornais e jornalistas e até procuradores da República que fizeram denúncias contra ele, e ganhou indenização na maioria dos casos, pelo menos nos tribunais cariocas.

Agora, coincidentemente, aparece a notícia da movimentação atípica de R$ 283 milhões por uma única pessoa neste tribunal em 2002. Não cabe fazer ilações, pois Mello Porto já não era presidente do Tribunal e estava sob a mira do Ministério Público, exposto demais para passar desapercebido. Mas alguém movimentou essa fortuna de forma atípica lá.

E a pergunta que fica a Roberto Gurgel, procurador-geral da República, é: por que o Ministério Público Federal não fez o dever de casa, desde 2003, e não investigou um alerta do Coaf deste tamanho?  Será que é porque não saiu na revista Veja?

Não fosse a corregedora do Conselho Nacional de Justiça Eliana Calmon abrir essa caixa preta, a impunidade estaria garantida.

video

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DESABAFOU? RIU? BRINCOU? SE COMOVEU? CHOROU? NÃO GOSTOU?
DE QUALQUER FORMA EU TENTEI! TÔ VENDO TUDO ESTÁ FAZENDO SUA PARTE! MAS SE GOSTOU OU NÃO, FAÇA SUA PARTE, COMENTANDO !

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...